Senhor Presidente, nobres deputados, quero juntar-me aos nobres colegas desta Casa e manifestar o meu repúdio à exposição denominada ‘Queermuseu, Cartografias da Diferença na Arte da Brasileira’, realizada na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, sob o comando do Santander Cultural.

Esta empresa. embora bem conceituada no mercado, falhou com os brasileiros ao incentivar esta iniciativa nada cultural, nefasta, que feriu os princípios básicos da família.

Imagens das obras desta exposição foram amplamente divulgadas na internet e mostraram o alto nível de depravação e imoralidade, a inversão de valores morais, a exaltação ao sexo e a apologia à pedofilia e à zoofilia. Quem de nós, pais de família, teríamos a coragem de levar nossos filhos e netos para assistir tamanha perversão?

Como presidente da ‘Frente Parlamentar Contra o Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes’ desta Casa, fiquei aturdido com a ousadia das obras, sendo que algumas delas enaltecem o erotismo e o sexo entre crianças e adolescentes.

A pedofilia, Senhor Presidente, não pode ser estimulada nem mesmo em exposições artísticas e culturais, pois esse distúrbio é danoso e vem destruindo a vida de milhares de crianças e adolescentes país afora.

Exposições culturais como esta, patrocinadas por uma empresa que deveria zelar pela moralidade, vão na contramão do trabalho árduo que vem sendo realizado por nós, parlamentares, pelas autoridades que trabalham na proteção das crianças e adolescentes, e por pais e mães de família, que zelam pela integridade física e moral de seus filhos.

Senhoras e senhores, faço aqui uma defesa à moralidade, à ética e aos valores familiares ensinados de pais para filhos, de geração em geração, que jamais podem ser desafiados, desrespeitados ou rejeitados.

Eu me uno ao nobre senador Magno Malta, presidente da CPI da Pedofilia, que irá convocar os responsáveis por esta exposição, tanto o curador quanto a diretoria do Santander, para que deem explicações à sociedade sobre esta iniciativa. Esta será a oportunidade que eles terão de expor seus argumentos.

Sendo assim, Senhor Presidente, é meu dever como parlamentar, defender a moralidade e os valores éticos, bem como zelar pelas famílias brasileiras.
Era o que tinha a dizer.

Muito obrigado.
DEPUTADO ROBERTO ALVES (PRB-SP)